CPA FAHE

CPA (Comissão Própria de Avaliação)

A Avaliação Institucional é um processo imerso em aspectos ideológicos, políticos, econômicos, culturais, dentre outros. Conforme HUGUET (p.15), ao discorrer sobre Auto-Avaliação Institucional conceitua que é um processo interno, configurado com padrões próprios da instituição, não tem caráter público e sem propósito de comparação com outras instituições.

Concepção e Princípios:

Para a FAHE, a avaliação institucional é concebida como um processo sistemático de busca de subsídios para a melhoria e o aperfeiçoamento da qualidade institucional, incidindo sobre processos, fluxos, resultados e estruturas. Visa garantir que o processo de planejamento seja cada vez mais eficiente, por meio da identificação de potencialidades e de oportunidades de melhoria, da sugestão de diretrizes e critérios para políticas e metas. É um processo indispensável para a tomada de decisão por parte das instâncias da Instituição

Essa concepção emerge do Projeto Pedagógico Institucional (PPI), em que a FAHE se define como uma Faculdade, produtora de um saber de qualidade, comprometida com a ampliação do horizonte de liberdade da humanidade e com a promoção do desenvolvimento das regiões em que atua. À instituição atribui-se compromissos básicos com: a qualidade, a democracia, a comunidade, a realidade regional e a manutenção de suas características.

O propósito da avaliação institucional na FAHE é promover as condições para que a Instituição consiga identificar as suas práticas, refletir sobre os seus limites e suas possibilidades, explicitar as suas políticas, os seus objetivos e o seu projeto para o futuro. Nesse sentido, o Programa de Avaliação Institucional fundamenta-se nos seguintes princípios:

- Avaliação como processo político e técnico;

- Avaliação como processo complexo, sistemático, reflexivo e compreensivo;

- Avaliação como processo educativo;

- Avaliação qualitativa e quantitativa;

- Avaliação como instrumento de apoio ao planejamento e à tomada de decisão;

- Avaliação como subsídio para o fortalecimento da FAHE;

Considerados a concepção e os princípios que orientam o Programa de Avaliação Institucional da FAHE , é de entendimento que o melhor sentido do processo avaliativo é que seja utilizado para aprimorar o conhecimento das atividades/processos/projetos existente. Dessa maneira, busca contribuir para o planejamento futuro da FAHE , tendo como pano de fundo o Projeto Pedagógico Institucional.




Segundo RIBEIRO (2000, p.15), A avaliação é um instrumento fundamental para todo organismo social que busque desenvolvimento e qualidade. Para a universidade, instituição cuja razão de ser encontra-se na prestação de serviços de qualidade à sociedade, buscando sempre a excelência na produção, sistematização e democratização do saber. O propósito da Avaliação Institucional deve ser o de conduzir ao aperfeiçoamento constante dos empreendimentos humanos.

Os princípios mais importantes da Auto-Avaliação Institucional que explicam a natureza deste processo, sua necessidade para o desenvolvimento institucional e razão de ser, são expressas pelos objetivos fundamentais de Auto-Referência, Auto-Análise e Auto-Desenvolvimento.

De acordo com SAUL, 1988; CINDA, 1994; OROZCO, 1994; TUBINO, 1997; SGUISSARDI, 1997; BERNHEIM, s/f; HUGUET, s/f; LEITE, 1998; IANNONE, 1999; RISTOFF, 2000- 2002; RISTOFF e COELHO, 2000; BALZAN, 2000; MASSI 2001; RIBEIRO 2000-2002; DIAS SOBRINHO, 2000-2002; dentre outros, a capacidade de Auto-Referência dos problemas e da realidade institucional é um objetivo fundamental, pois todo processo genuíno de Auto-Avaliação institucional tem que levar em consideração os indicadores internos e externos.

Priorizando os indicadores internos que são relevantes para o desenvolvimento da instituição. Uma das metodologias utilizadas no processo de Auto-Avaliação Institucional é a Metodologia do Grupo Focal que possibilita identificar, analisar e entender a realidade institucional utilizando-se de indicadores internos e externos, com ênfase nos indicadores internos, construídos de forma participativa e valorizando a análise histórica de outros momentos avaliativos vividos na instituição.

É fundamental em um processo de Auto-Avaliação ocorrer a participação efetiva da comunidade institucional, pois esta assegura a Auto-Análise: a instituição se pensa, repensa e viabiliza planos de ação que impliquem em mudança e desenvolvimento.

A Auto-Avaliação Institucional a partir das contribuições dos princípios metodológicos da FAPAN assegura e privilegia o discurso e as percepções dos atores sociais da realidade estudada. A participação é real em um processo de Auto-Análise, coletando, analisando e emitindo parecer frente às informações levantadas em entrevistas coletivas em uma perspectiva sócio-qualitativa.

Outro objetivo fundamental da Auto-Avaliação Institucional explicita a natureza do processo que é a necessidade de potencializar e desenvolver as pessoas da instituição e, conseqüentemente a própria instituição.

A FAHE por ser uma técnica sócio-qualitativa, coletiva, dinâmica e que promove a sinergia entre os componentes do grupo investigado, valoriza a palavra dos atores sociais reconhecendo-os como expert de sua própria realidade o que propicia o Auto-Desenvolvimento.

O próprio ato de avaliar é um momento intencionalmente pedagógico e de potencialização dos recursos humanos, tomando-se como Auto-Referência, e alcançando a Auto-Análise para assim se desenvolver e buscar a excelência.

O Auto-Desenvolvimento traz as diretrizes para mudanças que contribuem para o aperfeiçoamento, desenhando políticas, planejamentos, redimensionando recursos, acordos de cooperação interinstitucionais e outras ações que incrementam a qualidade acadêmica.

Uma instituição que se propõe viver um processo de Auto-Avaliação Institucional precisará planejar as etapas deste processo a fim de alcançar sucesso, sendo estas: preparação; elaboração do projeto; de organização do processo; de condução do processo; resultados e informes; validação; plano de ações e tomada de decisões em uma lógica permanente.

Os maiores problemas da Auto-Avaliação Institucional, tal como esta vem sendo implantada em diversos contextos universitários, estão vinculados à falta de capacitação, de preparação adequada da equipe avaliadora; à centralidade do processo na formulação de um diagnóstico que não se reverte em implementação de mudanças e desenvolvimento institucional; à crença de que os questionários são instrumentos que asseguram a participação, o que não tem sido demonstrado em seus resultados; resultados sem continuidade, sem validação de pares externos.

A Auto-Avaliação Institucional pode utilizar-se de diferentes instrumentos para coleta e análise dos dados e informações, porém o presente estudo compreende que a Metodologia da FAPAN é relevante e fundamental para atingir os objetivos fundamentais de Auto-Referência, Auto-Análise e Auto-Desenvolvimento.

Diante destes fatos a FAHE entende que o projeto solicitado pelo SINAES, deve ser inovador e sempre buscar a qualidade do ensino, desta forma, foi desenvolvido pela CPA da FAHE este projeto e tem como objetivo apresentar uma proposta para o desenvolvimento da auto-avaliação como exigência parcial da AVALIES. A elaboração desse projeto e sua conseqüente execução estão previstas na Lei Nº. 10.861, de 14 de abril de 2004.

De acordo com a Lei, o SINAES tem por finalidades a melhoria da qualidade da educação superior, a orientação da expansão da sua oferta, o aumento permanente da sua eficácia institucional e efetividade acadêmica e social e, especialmente, a promoção do aprofundamento dos compromissos e responsabilidades sociais das instituições de educação superior, por meio da valorização de sua missão pública, da promoção dos valores democráticos, do respeito à diferença e à diversidade, da afirmação da autonomia e da identidade institucional.

Além disso, conforme Art. 2º, parágrafo único da referida Lei, os resultados da avaliação conduzida pelo SINAES (AVALIES, ACG, ENADE) “constituirão referencial básico dos processos de regulação e supervisão da educação superior, neles compreendidos o credenciamento e a renovação de credenciamento de instituições de educação superior, a autorização, o reconhecimento e a renovação de reconhecimento de cursos de graduação”.

Nesse sentido, o projeto que a FAHE ora apresenta reflete um esforço necessário para a consolidação da melhoria da qualidade da educação superior no Brasil.

Mundo Novo, Setembro de 2014




JUSTIFICATIVA:

A FAHE acredita na avaliação institucional como processo institucionalizado, sistemático, capaz de gerar conhecimento em todas as dimensões da FAHE. Portanto, a avaliação adquire papel determinante na continuidade e no aperfeiçoamento de suas práticas diárias que vão além do cumprimento das exigências legais da educação superior, fundamentando-se num projeto de FAHE democrática, cidadã e comprometida com o desenvolvimento das regiões onde atua.

MISSÃO:

Realizar auto-avaliação institucional visando.conduzir e monitorar o processo de avaliação institucional, construído coletivamente, subsidiando de modo pleno a gestão institucional em suas dimensões políticas, acadêmicas e administrativas, rumo à potencialização e desenvolvimento do seu desempenho.

VALORES:

*Conhecimento dos diferentes segmentos da FAHE;

*Reflexão no desenvolvimento das atividades e na coleta, tratamento, análise dos dados e utilização dos resultados;

*Decisão expressando a estratégia de envolvimento dos diferentes sujeitos no processo de avaliação e o próprio desenvolvimento do projeto, com a incorporação das diferentes dimensões objeto da avaliação a partir da sua maior ou menor complexidade.

OBJETIVO GERAL:

Atender a Lei que Institui o SINAES, construindo institucionalmente a cultura avaliativa e o autoconhecimento sobre a FAHE, através do levantamento de dados, cenários e perspectivas que permitam o aperfeiçoamento das condições de ensino, pesquisa e extensão, dos processos administrativos e burocráticos e, ainda, de convivência institucional e de relacionamento com a comunidade em geral.

Objetivos Específicos:

Realizar auto-avaliação institucional visando:

1. Construir e estimular a adoção de uma postura de autocrítica da comunidade acadêmica.

2. Diagnosticar a inter-relação formal estabelecida no âmbito do ensino da pesquisa e da extensão entre Plano de Desenvolvimento Institucional, Projeto Pedagógico Institucional e Projeto Pedagógico dos Cursos.

3. Diagnosticar as reais condições proposição e realização das atividades de ensino, pesquisa, extensão.

4. Diagnosticar a inter-relação formal estabelecida no âmbito da missão institucional entre Plano de Desenvolvimento Institucional, Projeto Pedagógico Institucional e Projeto Pedagógico dos Cursos e as relações e compromissos formalmente estabelecidas com a comunidade em geral.

5. Diagnosticar o real relacionamento estabelecido em FAHE e comunidade.

6. Estudar, e espelhar as práticas administrativas e financeiras, seus processos e sua ação sobre o planejamento institucional.

7. Responder as demandas das comissões externas de avaliação, no contexto do SINAES.

8. Produzir conhecimentos e resultados que permitam apoiar a melhoria qualitativa e quantitativa do conjunto institucional em direção a realização de sua missão, suas metas e objetivos.







Tomando como base o conjunto de habilidades técnicas e pessoais necessárias ao desempenho das funções do Administrador nas organizações, destinadas a garantir uma identidade nacional à categoria profissional, o Curso de Administração da FAHE tem busca adequar-se a realidade do contexto regional da macro Região de Mundo Novo – MS, que, fruto de suas características peculiares, exige uma orientação especial dos conteúdos programáticos. Tais aspectos orientam a formação de um profissional que demonstre possuir, como características gerais do seu perfil pessoal e profissional, entre outras:

I. Compreensão de valores de cidadania, consciência de sua responsabilidade junto à sociedade, elevados valores de justiça e ética profissional;

II. formação humanística, e dotado de visão global, que o habilite a compreender o meio social, político, econômico e cultural onde está inserido e a tomar decisões em um mundo diversificado e interdependente;

III. formação técnica e científica para atuar na administração das organizações, além de desenvolver atividades específicas da prática profissional em consonância com as demandas atuais;

IV. competência para empreender, quer seja compondo equipes de trabalho ou atuando isoladamente;

V. capacidade de analisar criticamente as organizações e o meio em que elas se inserem, atuando de forma a antecipar-se as mudanças que se fizerem necessárias;

VI. capacidade de atuar em equipes multidisciplinares;

VII. compreensão da necessidade de manter contínuo o desenvolvimento profissional como parte de um esforço permanente de autodesenvolvimento;

VIII. capacidade para liderar e chefiar equipes multidisciplinares;

IX. capacidade para atuar como multiplicador de conhecimento dentro das organizações;

X. Competência para empreender e tomar decisões, analisando criticamente as organizações, antecipando e promovendo suas transformações;

XI. Flexibilidade e proatividade diante das mudanças;

XII. Orientação para resultados;

XIII. Capacidade interativa, integrativa e de coordenação;

XIV. Capacidade de compreensão da necessidade do contínuo aperfeiçoamento profissional e do desenvolvimento da autoconfiança, demonstrando pré-disposição para o aprendizado contínuo.

Adotando como premissas as características do perfil desejado do Administrador formado na FAHE, especial atenção deve ser atribuída ao desenvolvimento de habilidades que o capacitem ao exercício de suas funções dentro das organizações. Podem ser citadas como as principais:

I. habilidade de comunicação interpessoal, como fator de coesão;

II. habilidade de expressão escrita e interpretação da documentação técnica específica;

III. habilidade de utilização do raciocínio lógico, crítico e analítico, operando com valores e formulações matemáticas e estabelecendo relações formais e causais entre fenômenos organizacionais;

IV. habilidade de interagir criticamente face aos diferentes contextos organizacionais e sociais;

V. habilidade de demonstrar compreensão do todo administrativo, de modo integrado, sistêmico e estratégico, bem como de suas relações com o ambiente externo;

VI. habilidade de lidar com modelos de gestão inovadores;

VII. habilidade da negociação: resolver situações com flexibilidade e adaptabilidade diante de problemas e desafios organizacionais;

VIII. habilidade de ordenar atividades e programas, de decidir entre alternativas e de identificar e dimensionar riscos.




Em virtude das condições de crescente competitividade dos mercados e do espetacular avanço na área da tecnologia, ocorridos, sobretudo a partir dos anos 90, o mundo empresarial vem registrando profundas transformações, seja de caráter regulatório seja de caráter estrutural. Consequentemente, têm se observados fenômenos importantes como a redução de postos de trabalho e a terceirização.

Obrigam os empreendedores a adaptarem-se com rapidez cada vez maior. Neste contexto, está inserido o Curso de Administração da FAHE, oferecendo um currículo moderno e flexível.

Atenta à nova realidade, a FAHE tem reunido importantes esforços para preparar o futuro administrador para enfrentar os constantes desafios decorrentes das rápidas transformações da economia mundial e regional das organizações, do mercado de trabalho e das condições do exercício profissional, mediante uma formação de qualidade, que prioriza o aperfeiçoamento da vocação para a liderança empreendedora, a capacidade para lidar com modelos de gestão inovadores e estratégias adequado de ação.

Afinal, entre todas as profissões, a do administrador apresenta uma vantagem: o dinamismo. Ou seja, o foco a que se atém esse profissional vive em constante mudança, tendo por repercussão frequentes transformações em sua área e forma de atuação. Por isso, a FAHE busca a formação do administrador devendo lhe atribuir, a um só tempo visão generalista e especializada. A FAHE define que dois aspectos são cruciais para o sucesso na carreira o aperfeiçoamento contínuo e a rapidez de resposta às mudanças.

Para atender a tal enfoque, a FAHE busca o desenvolvimento das habilidades e competência que se dará por meio de disciplinas de formação básica, instrumental e profissional.

O administrador profissional é um tomador de decisões, por excelência, podendo exercer as funções de gerência ou direção, assessoria e consultoria em diversos campos da administração tanto em empresas públicas quanto privadas de serviços, indústria, comércio, ong´s, bem como gerir seu próprio negócio.




Em virtude das condições de crescente competitividade dos mercados e do espetacular avanço na área da tecnologia, ocorridos, sobretudo a partir dos anos 90, o mundo empresarial vem registrando profundas transformações, seja de caráter regulatório seja de caráter estrutural. Consequentemente, têm se observados fenômenos importantes como a redução de postos de trabalho e a terceirização.

Obrigam os empreendedores a adaptarem-se com rapidez cada vez maior. Neste contexto, está inserido o Curso de Administração da FAHE, oferecendo um currículo moderno e flexível.

Atenta à nova realidade, a FAHE tem reunido importantes esforços para preparar o futuro administrador para enfrentar os constantes desafios decorrentes das rápidas transformações da economia mundial e regional das organizações, do mercado de trabalho e das condições do exercício profissional, mediante uma formação de qualidade, que prioriza o aperfeiçoamento da vocação para a liderança empreendedora, a capacidade para lidar com modelos de gestão inovadores e estratégias adequado de ação.

Afinal, entre todas as profissões, a do administrador apresenta uma vantagem: o dinamismo. Ou seja, o foco a que se atém esse profissional vive em constante mudança, tendo por repercussão frequentes transformações em sua área e forma de atuação. Por isso, a FAHE busca a formação do administrador devendo lhe atribuir, a um só tempo visão generalista e especializada. A FAHE define que dois aspectos são cruciais para o sucesso na carreira o aperfeiçoamento contínuo e a rapidez de resposta às mudanças.

Para atender a tal enfoque, a FAHE busca o desenvolvimento das habilidades e competência que se dará por meio de disciplinas de formação básica, instrumental e profissional.

O administrador profissional é um tomador de decisões, por excelência, podendo exercer as funções de gerência ou direção, assessoria e consultoria em diversos campos da administração tanto em empresas públicas quanto privadas de serviços, indústria, comércio, ong´s, bem como gerir seu próprio negócio.




MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO
     
 
1º SEMESTRE
CH
Humanidades, Ciências Sociais e Cidadania
80
Teorias da Administração
80
Matemática Aplicada
80
  Contabilidade Básica
80
 
TOTAL DO SEMESTRE
320
   
 
2º SEMESTRE
CH
  Teoria da Organização
80
  Direito Empresarial
80
  Contabilidade Intermediária
80
  Matemática Financeira
80
 
Metodologia e Técnica de Pesquisa
40
 
TOTAL DO SEMESTRE
360
 
 
3º SEMESTRE
CH
  Psicologia Organizacional
40
  Desenvolvimento e Sustentabilidade
80
  Organização e Métodos
80
  Estatística Aplicada
80
 
Contabilidade Comercial
40
 
TOTAL DO SEMESTRE
360
     
 
4º SEMESTRE
CH
  Gestão Financeira
80
  Administração Pública
80
  Contabilidade de Custos
80
  Gestão de Tecnologia da Informação
80
 
Economia
80
 
TOTAL DO SEMESTRE
400
     
 
5º SEMESTRE
CH
  Gestão Orçamentária
80
  Marketing
80
  Gestão de Pessoas
80
  Empreendedorismo
80
 
Comunicação Empresarial
80
 
TOTAL DO SEMESTRE
400
     
 
6º SEMESTRE
CH
  Logística e Materiais
80
  Gestão Mercadológica
80
  Gestão de Departamento Pessoal
80
  Trading e Gestão de Comércio Exterior
80
 
Estágio Supervisionado I
80
 
TOTAL DO SEMESTRE
400
     
 
7º SEMESTRE
CH
  Gestão da Produção
80
  Planejamento Estratégico
80
  Estágio Supervisionado II
80
  Pedagogia Empresarial
80
 
TOTAL DO SEMESTRE
320
     
 
8º SEMESTRE
CH
  Estágio Supervisionado III
140
 
TOTAL DO SEMESTRE
140
  Atividade Complementar
300
     
 
TOTAL DAS DISCIPLINAS
3000
  Disciplina Optativa - Libras
80
     
 
TOTAL GERAL DA CARGA HORÁRIA
3080